Entender o ecossistema da Economia Circular e onde você se encaixa não é uma tarefa tão simples. Embora o conceito seja ainda novo para muitas pessoas, já é preciso procurar seu espaço, pois a valorização de marcas que se posicionam como circulares e sustentáveis está em franca ascensão.

Para entender melhor o ecossistema, vamos examinar o fluxo tradicional, chamado também de linear:

Este é o modelo “tradicional” foi desenvolvido na Revolução Industrial e envolve atividades de “extrair, produzir, usar e desperdiçar”. Esta forma de trabalhar foi muito importante e nos trouxe até aqui, porém o grande problema é que hoje está atingindo seus limites físicos. Como os recursos naturais são finitos, ou seja, acabam, e cada vez mais limitados, o preço das matérias prima (virgens) estão se elevando, impactando diretamente nos custos da operação e, consequentemente, dos produtos finais. Além do impacto ambiental, claramente vemos um problema econômico para toda a sociedade.

A boa notícia é que este modelo econômico pode ser aprimorado simplesmente pelo fechamento do ciclo, ou seja, com a implementação de fluxos de “retorno, reciclagem, reuso e reparo”:

No entanto, tudo tem um preço, e aqui, no caso, temos um aumento significativo na complexidade do fluxo de materiais e inter-relações com fornecedores de matéria prima, serviço e clientes, ou seja, um novo ecossistema que deverá ser desenvolvido pelas corporações. As vantagens são cadeias de valor mais resilientes, novos modelos de negócios, compartilhamento de informações, diminuição de riscos de quebra da cadeia e muitos outros.

Mas aonde a sua empresa se encaixa nisso tudo? Vamos agora analisar os três principais tipos de atores deste ecossistema e ver onde você se encaixa:

1. CRIADORES DE PRODUTOS

São as empresas com produtos físicos que pretendem evoluir de um modelo linear tradicional para modelos de negócios circulares.

Se você é uma indústria ou negócio que produz um produto que é utilizado por alguém, provavelmente você se encaixa aqui. Neste caso o design de produto já tem peso de 80% no impacto circular do seu negócio. Se você ainda não ouviu falar do conceito “cradle-to-cradle – C2C” (que em português significa ‘do berço ao berço’) é bom estudar sobre isso.

2. PROVEDORES DE SOLUÇÃO

São os provedores de serviços com foco específico em um único estágio, que tem o objetivo de ajudar as empresas do TIPO 1 na transição para a economia circular.

Aqui se encaixam as recicladoras, empresas que revendem produtos ou os reparam. Entram também as empresas que ajudam as empresas do TIPO 1 a se “livrarem” dos resíduos transformando-os em novos insumos ou produtos.

3. FACILITADORES

Os “facilitadores” são as organizações que fornecem serviços para apoiar todo o ecossistema ou uma parte significativa de uma cadeia de valor.

A Lotsapp, por exemplo, ajuda as empresas a contar a história da jornada dos produtos circulares e sustentáveis da marca. Esse serviço envolve dar rastreabilidade interna e externa aos produtos, insumos e serviços da cadeia. Ele é essencial para conectar os elos e coletar informações que vão dar mais transparência ao consumidor das marcas. Os ganhos em termos de posicionamento e fidelização do cliente são enormes e a diferenciação traz benefícios para toda a sociedade. Pesquise e veja quantas empresas já está trabalhando nessa linha, vai se surpreender.

Por fim é válida uma reflexão sobre onde vamos nos encaixar nesta nova economia e lembre-se, quanto mais cedo começar, melhor.

× Como posso te ajudar?